Se já estava ruim, pode ficar pior.

De acordo com sua política de preços atrelada aos valores do petróleo no mercado internacional  e em meio à crise do diesel e da greve dos caminhoneiros, a Petrobras resolveu mais uma vez aumentar o preço da gasolina após cinco quedas consecutivas. O preço  nas refinarias subirá 0,74% e passará a ser de R$ 1,9671 por litro.

Apenas em maio, o preço do combustível acumula alta de 9,42%. Em 28 de abril, a gasolina nas refinarias custava R$ 1,797.

O preço do litro de diesel, conforme acordo do governo com os caminhoneiros, está congelado em R$ 2,101. Pelo acerto feito, o diesel não sofrerá aumento durante dois meses. Também tem queda de R$ 0,46. Desse valor, R$ 0,5 virão da extinção do PIS/Cofins e da Cide. Os outros R$ 0,11 serão subsidiados pelo governo com a Petrobras.

Essa tábua de salvação do governo Temer vai custar ao país em torno R$ 10 bilhões.

Na verdade o governo foi obrigado a fazer concessões para evitar o caos total e não cair de quatro, desmoralizando ainda mais um governo já totalmente desmoralizado.Mas esse rojão estoura nos bolsos do povo brasileiro que no final vai pagar essa conta.

Na economia globalizada não há milagres.

O governo dá o que não tem a oferecer e as consequências disso virão a galope. Se já estava ruim, pode ficar pior.

Tomara que as tempestades não varram as poucas esperanças que ainda nos restam antes que outubro chegue.

 

*Valdevino Bittencourt é jornalista e escreve para o Virtualíssimo.